The Evil Within 2 - Análise



Shinji Mikami, conhecido como o mestre dos Survival Horror, passou a tocha em The Evil Within 2. Depois de ocupar a cadeira de director no primeiro, todos esperavam que Mikami ocupasse o mesmo papel na sequela, mas em vez disso, John Johanas, responsável pelos conteúdos adicionais para o original, ficou com esse cargo. Quanto a Shinji Mikami, ainda esteve esteve envolvido na sequela, no papel de produtor executivo e de supervisor. Esta troca de posições nos bastidores de desenvolvimento resultou num jogo mais ocidental, com algumas "ideias novas", pelo menos no que diz respeito à série, mas em simultâneo demasiado agarrado ao passado e ao que se fez anteriormente.

Para todos os efeitos, The Evil Within é uma espécie de sequela espiritual de Resident Evil, que tenta recuperar aquilo que a Capcom perdeu, principalmente após Resident Evil 7, que renasceu numa perspectiva de primeira pessoa e abandonou a fórmula estabelecida por Resident Evil 4. Como um fã de longa data da série da Capcom, não consigo deixar de reparar nas semelhanças que The Evil Within 2 tem. Temos uma corporação malvada disposta a tudo para realizar os seus planos, pessoas que se transformam em monstros devoradores de carne humana e jogabilidade e mecânicas muito parecidas com o que a Capcom fez em Resident Evil 5 e Resident Evil 6, que eram uma evolução das bases estabelecidas em Resident Evil 4.

Portanto, não há dúvidas que The Evil Within 2 se apoia imenso no passado, mas será que consegue dar um salto para a frente? As novidades da sequela são uma estrutura menos linear, quase em mundo aberto, e um sistema de crafting expandido. Mas antes de mais, temos que abordar a história. The Evil Within 2 é uma sequela directa do primeiro, e se não o jogaram, poderão ficar à nora. Podem sempre ler um resumo do que aconteceu antes, mas convém saber algumas coisas antes de jogar a sequela, dado que jogo não perde tempo a explicar o que aconteceu no primeiro jogo (mas há pequenas referências e documentos de texto que vão aparecendo ao longo da história). Continue lendo aqui!
Share on Google Plus

About Erasmo Jaspion

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário